Ministro pede punição a responsável por dizer que avião saiu de sua fazenda

Por RD News 16/07/2017 - 15:51 hs

Ministro pede punição a responsável por dizer que avião saiu de sua fazenda
Segundo Blairo, a Aeronáutica não se preocupou em checar o dado fornecido pelo piloto

O ministro da Agricultura, Blairo Maggi (PP), pediu que a Aeronáutica puna o responsável por divulgar a informação de que um avião interceptado com 500 kg de cocaína, no final de junho, decolou de uma de suas fazendas. A informação foi divulgada pelo site Época, neste sábado (15).

Segundo o ministro, a Aeronáutica não se preocupou em checar o dado fornecido pelo piloto antes de divulgar a informação. Foi a Polícia Federal quem desmentiu a informação. Maggi diz que o episódio causou danos a ele e suas empresas.

Em 25 de junho, um avião A-29 Super Tucano da Força Aérea Brasileira (FAB) interceptou o avião bimotor, matrícula PT-IIJ, na região de Aragarças (GO), resultando na apreensão de cerca de 500 quilos de cocaína. A ação faz parte da Operação Ostium para coibir ilícitos transfronteiriços, na qual atuam em conjunto a FAB, a PF e órgãos de segurança pública. O avião decolou da Fazenda Itamarati Norte, no município de Campo Novo do Parecis. O destino era Santo Antonio Leverger.

No dia seguinte, veio à tona a informação de que o avião interceptado pertence ao grupo Amaggi, cujo um dos sócios é o ministro. Posteriormente, O piloto da aeronave interceptada disse à PF que criou um plano de voo falso, que seria apresentado para as autoridades caso ele fosse detido. A informação foi dada pelo delegado Bruno Gama, responsável pelo caso, em entrevista à TV Anhanguera.

"Quanto ao caso, esclareço que NÃO há provas de que a aeronave partiu do destino citado. A informação foi dada pelo piloto para a Força Aérea Nacional- FAB, quando questionado sobre a origem da decolagem. Mas, a FAB, percebeu que havia discrepância de informações e, rapidamente, solicitou o pouso no aeródromo de Aragarça, GO. Porém, ao invés de pousar no local, arremeteu. Mesmo assim, o piloto da FAB comandou a mudança de rota e solicitou o pouso, porém o avião interceptado não respondeu", explicou em seu perfil no Facebook, à época.

 tentou contato com a assessoria de Blairo para ter acesso ao pedido formal, mas as ligações não foram atendidas.